sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Moça, sua senha é 93?

Dia 28 de Janeiro, sob o sol escaldante de Belo Horizonte, me encontrava sentada em uma sala de espera da Secretaria de Saúde do Estado. Precisava dos papéis de um medicamento caro, por isso tinha que esperar.
O que se segue abaixo, é um diálogo inusitado e especial que aconteceu neste local...

[Eu estava sentada, olhando e escrevendo na minha agenda.]

  • “-Moça, sua senha é 93???”
  • Não, a minha é a 98...
  • “Ah, tá... É porque tá no 93... Tá quase na sua vez, né?!
  • É...tá sim...quase na minha vez...
 [Segundos depois...]

  • Você é professora, moça?”
  • Não... Por que? Pareço professora?
  • “Parece...Você devia ser professora!...”
  • Tenho cara de brava?
  • “Tem...só um pouquinho...”
  • E você ia querer ser meu aluno?
  • “Ia...”
[Mais alguns segundos...]

  • Eu estou escrevendo porque sou muito esquecida...Se eu não anotar,esqueço tudo!..
  • “Eu odeio quando eu esqueço das coisas...
  • Então...É só anotar que você não esquece!
  • “Mas eu tenho memória boa! Sabia que minha mãe nem ´tava lembrando como chegar aqui? E ela já veio aqui duas vezes! Eu vim só uma e lembrei!
Ela também já foi na tia Cláudia duas vezes  e não lembrou como chegar, só eu que lembrei!!”
  • Nossa, então você cuida direitinho da sua mãe, hein?

[Outros segundos...]

  • Sabia que eu já estudei pra ser professora? Até fui durante um tempo...
  • “É? ´Cê dava aula de quê?Português,Matemática?...
  • Na verdade, eu não dava aulas... Só ajudava a professora. Cuidava de crianças de 2, 3 anos...
  • “Ah, mas você tinha que dar aula  pra quarta série, quinto ano...

  •        Aonde você mora?”
  • Eu moro no Ana Lúcia.”
  • “É perto daqui, né?”
  • É...mais ou menos. E você? Mora aonde?
  • “Eu moro no Zdandansnd [não entendi nada do nome do lugar], lá no bairro das Indústrias.”
  • Ahh, tá.. É em Contagem, né?
  • [Dando de ombros.] “Não sei..."
  • Como você chama?
  • “Lucas.”
  • Eu me chamo Amanda. Quantos anos você tem ,Lucas?
  • “Dez.”
  • Humm...Bastante coisa, hein?! Já enche duas mãos! [Piadinha velha das mãos que toda criança adora.]
  • “ E você?
  • Eu tenho dezoito.
  • “Ahh, já tem que tirar carteira!!!”
  • Eu tirei!! Esses dias mesmo!

[ Daí se seguiu uma conversa sobre motos , motoqueiros, carros, Suzuki, barulho da Suzuki...Ele disse que só ia andar a menos de 50 , “pra não dar acidente”.]

  • “Ô tia, cê  sabia que eu vou ser rico?” [Na sutileza do coração de criança,por “reconhecer” uma professora, ele passou a me chamar de “tia”.]  
  • É mesmo?
  • “É...   Eu nasci com côco no nariz .
  • (?...)
  • “Quem nasce com côco no nariz, é porque vai ser rico! E eu nasci todo “emarolhado” [Usou uma palavra que eu nunca ouvi na vida , mas quis dizer que ele nasceu todo sujo. ]
  • Ahh ta!.. Acho que eu não tive essa sorte, viu?!
[Risos e mais algumas conversas engraçadas, sendo sempre chamada de “tia”.]

  • O que você quer ser quando crescer, Lucas?
 [O sinal luminoso então chamou a senha 98.]

  • Foi um grande prazer te conhecer,viu?

[ Apertei a mão dele , me despedi e fui para o atendimento. Quando estava saindo, surge o Lucas na minha frente dizendo: ]

  • “Tia, ‘cê me perguntou o que eu quero ser quando “crescesse”... [ Sem esperar que eu pedisse desculpas e num tom orgulhoso, disse: ] “Eu vou ser policial!!”
  • Nossa, Lucas, que legal!! Então eu te encontro, hein?
 [Balançou a cabeça em sinal positivo e foi correndo atrás da mãe.]
  
Foi emocionante e único ver uma pessoa tão pequena falando de uma vocação e paixão que há muito tempo eu nem me lembrava.
Hoje eu me lembrei porque gostava tanto de trabalhar ao lado deles, que , na maioria das vezes, sem acertar qualquer conjugação verbal nos dizem coisas tão lindas e profundas.

“Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus.
                                          
                                                                                  Mateus 18: 3

Precisamos dar mais atenção e ouvir mais estes pequeninos.
O Reino dos céus é mesmo deles.



3 comentários:

  1. Adorei ler o episódio Amanda.. Fez-me rir! Que bela criança heeim!? Oh tiiia.. rsrs Beijos..
    Bárbara Veluziana

    ResponderExcluir
  2. Que legal Amanda. Esse tipo de coisa só acontece com você mesmo.
    Esse diálogo foi realmente especial. Você não tme noção da coisa estranha que aconteceu comigo quando acabei de lê-lo.. Encheu meu coração, estava precisando disso a tempos...
    Deu até vontade de conhecer o Lucas.. haha
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ahh, meninas! Quantas coisas lindas acontecem quando a gente passa a olhar o mundo de uma altura menor que um metro e meio...
    Queria conseguir dar mais atenção a isso!...
    Fico feliz que tenha emocionado vocês! Foi uma conversa simples e singela, mas que também me comoveu inexplicávelmente.
    O Lucas é mesmo uma pessoa especial!...

    ResponderExcluir