sexta-feira, 21 de junho de 2013

#changeBrazil

Pessoal, passada a euforia dos primeiros dias, acho que é hora de dizer: 
Fiquei muito empolgada no início das manifestações, porque senti pela primeira vez que o brasileiro saia do
estado de letargia. Tem sido muito bonito andar no centro e ver tanta gente de mente inteligente e coração inflamado por mudanças sair às ruas pra protestar. Ver tanta gente dizendo #vemprarua, não tem preço!
Como brinquei outro dia, em relação aos "burguesinhos" da faculdade e tantos outros que eu preconceituosamente julgava incapazes de se importarem com algo além dos próprios bens, e que agora calam meus julgamentos, criando cartazes e indo às ruas pra protestar. 
Me perdoem o preconceito, mas durante anos participei de manifestações em que quando 300 se reuniam, a gente quase soltava foguete, nos sentindo verdadeiros espartanos e aguentando motoristas e muitos outros nos chamarem de "arruaçeiros" e sem o que fazer. 
Ouvi muitas vezes que minha luta era em vão, que "nesse país sempre foi assim e sempre vai ser" e por vários momentos fui tentada a acreditar nisso. 
Não há ressentimento que resista ao ver as mesmas pessoas que me disseram isso com a cara na rua hoje, levantando a bandeira do Brasil fora de época de Copa do Mundo e gritando que é brasileiro e tem orgulho disso. 
Tudo isso é maravilhoso e, sem dúvidas, nunca tive tanto orgulho de ser brasileira. 
Mas como toda história tem o seu "mas", gostaria de chamar a atenção pelo menos de vocês, amigos, pra uma coisa que a História mostra: toda vez que uma democracia é sacudida, dois podem ser os resultados: ou aquela nação passa por mudanças consideráveis em relação à políticas públicas, ou surgem aproveitadores, que apenas "reorganizam o poder". 
Como falei antes, não sou pró-Dilma, nem defendo partido algum, mas me assusta ver soluções simplórias como um possível "impeachment" da presidente ser a resposta para o Brasil. O que tenho visto é um expressivo analfabetismo político, de gente que não faz ideia do que seja um Estado Democrático, mas que se sente um revolucionário por conseguir algumas "curtidas" no Facebook. 
Acreditem: a mentalidade de pessoas simplistas é exatamente o que o Brasil precisa para receber um golpe de Estado- e de regime autoritário. 
Vamos acordar, galera! A corrupção tá mais enraizada na cultura brasileira do que o samba e o futebol. A presidente, o Congresso, o prefeito e todo o escambau são o resultado da nossa cultura preguiçosa e resiliente, expressadas na mentalidade do (deputado) Tiririca: "pior que tá, não fica". 
Fica pior sim e se a gente não mudar, o Brasil não vai mudar também. 
É por educação de qualidade, atendimentos de saúde eficientes, moradia digna, transportes feitos para humanos e uma vida segura que a gente luta?!
Então bora pressionar quem já tá lá, porque "todo poder emana do povo, que o exerce diretamente ou por meio de representantes".
O governo desse país já passou na mão de muita gente, de todos os regimes e partidos possíveis, mas nunca esteve realmente nas mãos do povo. 
Não se distraia com teorias de "mudança de poder", pois só um ente tem o poder, e você faz parte dele.
Acorda, mas acorda de vez, Brasil!!! 
#changebrazil

Nenhum comentário:

Postar um comentário