segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Retorno das Águias


Parece que foi ontem que estávamos nas comunidades do Orkut, vibrando porque fomos chamados pra seleção, porque passamos na primeira fase, na segunda e na terceira...
Vivemos toda aquela expectativa do "GOLden call" pra saber de qual turma seríamos, criamos comunidades pra nos conhecer e embarcar numa das profissões mais incríveis que um ser humano pode ter.
Ninguém sabe como é, o que sentimos, o que passamos, o que vivemos. São conflitos , desafios, sentimentos, atrasos, saudade, dores no ouvido, passageiros - e colegas- mau humorados, diariamente. Ao mesmo tempo, são paisagens lindas, lugares que nunca imaginamos pisar, pessoas maravilhosas que nunca pensaríamos conhecer e oportunidades únicas, que só a profissão traz.
"A Aviação dá muito, mas exige muito também", eu ouvi de alguém uma vez. Isso é absolutamente verdadeiro. E todo esse mundo parece tão distante aos olhos da nossa família, amigos e pessoas que acreditam que nosso trabalho se resume às fotos postadas no Facebook ou aos "check-in" realizados.
Ninguém sabe como é. Ninguém sabe o quanto tivemos que caminhar pra chegar até ali, mas nós sabemos. E conseguimos.
Então vieram os voos, a alegria de receber o crachá, a mala, o uniforme...Veio a tensão do treinamento, dos checks, dos voos de instrução e o medo de bater asas sozinhos. Veio muita coisa.
O tempo passou e o sonho virou rotina. A realidade não parecia tão bonita quanto o sonho. No sonho, não havia atrasos nos voos, a comida era sempre boa, a escala nunca mudava e os colegas eram sempre agradáveis.
Então a comida foi perdendo o gosto, a escala parecia não saber como nos agradar e os colegas...ah, os colegas eram sempre "uó".
Foi então que alguém disse que o sonho estava pra acabar.

"O quê? Como assim?"
"É. Coisas do mercado."
"Mas estava tudo tão bem até o mês passado."
"Pois é. "
"E o que você vai fazer agora?"
"Não sei. Talvez o que eu queria fazer antes de querer voar."

Mas quando foi mesmo que  essa vontade nasceu?! Quem eu era mesmo antes de ser comissária?!
Tivemos que nos redescobrir. Alguns se recompuseram, se reconstruíram, se reformataram pra uma vida terráquea.
Foi difícil.
Eu fui estudar, fui ver mais um pouco do mundo, conhecer pessoas maravilhosas, que sem a demissão eu jamais conheceria. Descobri que podia ser boa em outras coisas, que é possível viver com muito menos do que eu vivia e que é possível reencontrar a felicidade em pequenas coisas.
Mas não, em nenhum momento foi ou é fácil entrar num avião como passageira ou mesmo ir ao aeroporto. Em várias noites de domingo, eu fico olhando pro céu querendo estar lá e não assistindo ao Fantástico. Os barulhos de turbinas, tão imperceptíveis aos ouvidos "terráqueos" não me passavam despercebidos enquanto eu estava na sala de aula da faculdade.
Eu aprendi a conviver com a saudade de tudo isso, aliás, aprender a conviver com a saudade foi algo que a própria Aviação me ensinou.
Me reencontrei, reposicionei meus sonhos e achava que tudo estava basicamente estável.
Mas a vida não é estável.

Agora, novamente, vejo colegas vivendo aquela expectativa maravilhosa de um telefonema. Sonhos se reacenderam, esperanças foram renovadas e o que parecia morto, ressurgiu. Deus é mesmo um escritor incrível.
Eu ainda não consegui colocar os pés no chão. Uma história aconteceu no ano que se passou e eu não posso desconsiderá-la se precisar tomar uma decisão. Apesar dessa alegria maravilhosa pelos colegas, eu ainda não sei qual caminho escolherei, caso me convidem a voltar.
Mas uma coisa eu espero: Espero que quer voltemos ou não, sejamos pessoas melhores. Pessoas mais gratas, mais felizes, menos reclamonas e um exemplo para os atuais e futuros comissários. Que o ano que passou seja um exemplo de história de perseverança, de fé e de que não é a Aviação quem nos faz, mas nós é quem fazemos a Aviação.
Eu aprendi que o mundo é muito lindo visto por cima, mas que também pode e deve ser lindo aqui embaixo.
Desejo que a alegria que hoje está no coração de cada um dos que receberam ou receberão ligações se multiplique por muitos dias, meses e anos, e contamine muitos outros. Desejo também que o ano que se passou nunca se apague das nossas memórias.
Hoje,mais do que nunca, sei que "tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz".
Que Deus abençoe muito a todos os dê lindos voos!
"Atenção tripulação, preparar para decolagem."
CMS Amanda Alves- Turma 111

Nenhum comentário:

Postar um comentário