domingo, 29 de junho de 2014

Muito prazer! Eu sou o Bruno e gosto de ajudar pessoas!

É engraçado se apresentar. Algumas pessoas se apresentam
falando sobre características físicas como
altura, cor dos olhos e etc; outras, por características que nem sempre significam algo, como signos (que pra mim não faz sentido, mas pra alguns faz) e muitos se apresentam pelos títulos que possuem: “-Muito prazer sou Doutor Fulano”, talvez na ideia de impressionar ou ganhar certo respeito. Nada contra tudo isso, muito pelo contrario, todas essas coisas são sim características que formam o que você é, mas eu sempre acreditei que dentro das pessoas existe algo mais importante que todas essas características físicas ou  aquelas adquiridas durante a vida. Eu acredito que existe um algo, um sentimento específico que nos faz levantar da cama, que nos tira do ponto zero e faz nós irmos e fazermos coisas que nunca pensaríamos fazer.
No meu caso é a vontade de ajudar. Sim, eu sei, parece algo meio Madre Tereza, mas não é bobagem não! Muitas das melhores decisões da minha vida foram baseadas na vontade de ajudar os outros e nesse processo eu recebi em troca muito mais! Então se eu puder me apresentar assim, eu fico feliz: Eu sou o Bruno e gosto de ajudar pessoas!

Foi na vontade de ajudar que eu conheci a Amanda. Nos conhecemos entre vários estrangeiros que estavam fazendo intercâmbio para um país extremamente pouco conhecido pelos brasileiros: a Eslováquia! Fomos dar aula de Inglês e falar da cultura brasileira para as crianças das escolas do país. Foi uma experiência maravilhosa em diversos sentidos... Conheci outra cultura, vi neve pela primeira vez e claro, pude viajar. Em uma dessas viagens tivemos a conversa no trem (você pode ler o texto aqui) que até hoje foi uma das conversas mais gostosas que eu já tive. Desde que voltei perdi contato com a maioria das pessoas da viagem, mas com a Amanda fiz questão de não perder contato, muito graças a conversa no trem.
Nessa conversa, pudemos conhecer muito além de que curso estávamos na faculdade ou de que cidade éramos no Brasil. Pudemos conhecer aquela coisinha que eu falei lá no começo do texto. Quando se conhece essa característica da pessoa, eu acho que o resto das características são meros retoques finais no pacote do que a pessoa é. Simplesmente adicionam um fundo ao quadro que você consegue ver da pessoa. E foi nessa conversa que eu conheci a sonhadora Amanda, disse a ela que um dia ela iria escrever um livro sobre as reflexões que conversávamos e sobre outras coisas que podem ser belas. Pouco eu sabia que ela já fazia isso, mas não mostrava a ninguém, e hoje me deu mais uma possibilidade de ajudar a contar um pouco das coisas que pensamos e das coisas que podem ser belas no mundo.

Então para não ficar um texto longo, que você pode não terminar de ler, eu quero que você pense na sua vontade interna, que é só sua, e a ouça. Se você já a conhece, ótimo, mas se não, tente pensar nas suas decisões importantes e o que mais pesou para você tomá-las, ou o que mais te revolta ou aquilo que mais te comove, porque eu te garanto: quando você entende o que faz uma pessoa ser o que ela é, começa a entender quem você é de verdade.
Eu sou o Bruno e gosto de ajudar pessoas. E você, quem é?

Um comentário:

  1. continua escrevendo cara, faz bem pra saude mental

    ResponderExcluir