sexta-feira, 6 de junho de 2014

O câncer e eu - A culpa não é das estrelas

Eu ontem assisti "A Culpa é das Estrelas". Me recusei  a ler o livro, porque todo mundo estava lendo (acho
que fazer algo só pra seguir a multidão contamina as coisas), mas acabei, sem querer, indo à estreia. Desnecessário é dizer que chorei igual a um bebê.
Palmas para o autor, John Green, por ter escrito uma história tão linda e palmas para Shailene Woodley, que teve uma atuação assustadoramente brilhante. Não li o livro, mas acho que não poderiam ter escolhido uma atriz melhor.
O filme é lindo, mas eu sai do cinema triste. Verdade, todo mundo provavelmente vai sair, mas eu não fui embora com o coração pesado simplesmente por causa da história do filme.

No dia 27 de dezembro de 2013, eu conheci um dos piores inimigos da humanidade e um dos que eu mais temia: o câncer. Lembro-me exatamente do momento em que o médico me olhou com uma cara de compaixão e disse: "Olha, a hipótese mais provável é de que seja um tumor".
Eu nunca contei pra ninguém como foi esse momento. Levei uma das pessoas que mais amo no mundo para o hospital, com uma "simples" cólica e ao chegar lá o quadro dela se agravou. Quando finalmente entramos no consultório médico, minha avó já estava com um quadro de obstrução intestinal devido a um tumor.
"Não pode ser!", era a única coisa que eu pensava. A sensação que eu tive era de que meu estômago estava na minha boca, de que meu coração batia ao lado dos meus ouvidos e de que não havia chão debaixo dos meus pés. "Como contar isso para as outras pessoas?", "Como falar com minha vó o que está acontecendo?".  "Deus, eu não sou tão forte assim!".

Nos dias que se seguiram, eu vi o quanto eu não sou realmente forte, mas vi também o quanto Deus é. Quando olho pra trás, vejo que não poderia ter passado por tudo isso sozinha, sem que Deus tivesse me dado a mão. Acordava todos os dias e não tinha vontade de ir a lugar nenhum, a não ser ao hospital. Via a casa vazia, via pessoas chorando. Sofri, de fato, pela primeira vez na vida. Ouvia os médicos passarem o diagnóstico e falarem palavras como "riscos", " cirurgia", "quimioterapia", "depende", "não podemos afirmar" e parecia que outra pessoa se apoderava de mim e me dava forças pra ouvir tudo sem chorar. Alguns médicos pareciam estar falando sobre o clima lá fora, enquanto meu estômago revirava e eu tinha a sensação de que ia vomitar. Outros, faziam previsões como se dissessem que ia chover, mas a previsão no caso, era sobre a vida da minha avó.

Eu nunca aprendi tanto sobre a vida quanto nos dias em que tive que aprender a encarar a morte.
Aprendi também sobre o valor da família e aprendi a perdoar aqueles que me abandonaram nesse momento. Foi difícil. Senti raiva de muita coisa, mas Deus me ensinou que o único amigo que eu realmente precisava era Ele. Nenhum amigo foi me visitar ou visitar minha avó em quase 30 dias de hospital. Duas amigas me ligavam para saber como ela estava. O restante me enviava mensagens no Facebook ou no Whats App. Não digo isso com ressentimentos. Não mais. Digo apenas para dizer que, assim como fizeram com Jesus, às vezes as pessoas mais próximas podem nos abandonar no momento em que a gente mais precisa.
Nessas horas, guardar mágoa não ajuda em nada. Usei isso para me apegar ainda mais a Deus e pra fazer amizades no hospital. Ah, se eu fosse falar de todas as pessoas que conheci naqueles dias! Faltaria tempo e espaço. Chorei e ri com muita gente. Vivi um ano em um mês.

Hoje o câncer não me amedronta mais, apesar de ainda estarmos lutando contra ele em minha família. Ele me causa tristeza, raiva, indignação, mas medo não. As pessoas sempre se assustam quando falo com naturalidade que minha vó faz quimioterapia e talvez pareça que eu menosprezo a doença, mas isso não é verdade.  Fico irada quando vejo pessoas morrendo por causa do câncer e muito triste por minha vó e tantas outras pessoas terem que fazer quimioterapia. Pessoas que não mereciam lutar contra isso, aliás, sou incapaz de declarar uma pessoa digna dessa doença.
Todo mundo é novo demais pra ter um câncer.  "Pior do que morrer com câncer, é perder um filho por causa do câncer", já disse Hazel Grace. Todo mundo é digno de vencê-lo, mas eu já vi que às vezes ele vence.
O que fazer então? Entregar-se a um profundo sofrimento e à desesperança?! Chorar e lamentar?! Brigar com Deus e dizer que Ele não é bom porque Ele não destrói de vez o câncer?! Confesso que pensei em todas essas alternativas, mas nenhuma melhorou a situação. Quando me dei conta de que eu mesma posso morrer por causa dessa doença, decidi buscar a cura pra ela. Não a cura física, mas a cura para a alma, porque essa sim nunca vai morrer.

Eu disse que saí do cinema triste não só por causa da história e eu não sabia exatamente  o porquê até me lembrar de várias coisas que escrevi no meu último texto.
Sabem o que é mais triste em "A Culpa é das Estrelas"?! É que talvez Gus e Hazel não tenham conhecido o amor de Deus.
Nem a história de amor mais linda é capaz de nos dar vida completa. O vazio da alma não pode ser confundido com o vazio da saudade.
Viver 110 anos, cheios de saúde, sem conhecer o amor de Deus, ou até mesmo negando Sua existência, não muda o fato de que um dia todos nós enfrentaremos a morte- e o que vem depois dela.

"Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós".  (Romanos 8:18)

Eu descobri que viver é bom, mas morrer em Cristo é lucro (Fl 1:21). Se o Gus soubesse disso, ficaria mais fácil enfrentar o que ele enfrentou. Se a Hazel soubesse que um dia não haverá câncer, lágrimas ou dor, o coração dela ficaria em paz. Se ela soubesse que Jesus nos amou tanto , tanto, que Ele mesmo veio à Terra enfrentar o nosso maior inimigo, a morte, e a venceu, ah!, aí ela descansaria em paz ainda em vida.

"Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo". (I Coríntios 15:55-57)

A culpa não é das estrelas. A culpa é do mal que entrou no mundo quando o homem e a mulher pecaram. Deus disse que morreríamos se provássemos da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas nós nos rebelamos contra Ele. Quisemos ser nossos próprios deuses, donos de nós mesmos (e ainda queremos). A criatura se rebelou contra o Criador, e o que o Criador fez? Puniu-os severamente, colocando o câncer, a violência, a AIDS  e a fome no mundo? Não, isso nós fizemos.
Ele, "tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados". ( Isaías 53:4-5).

Pode ser que a humanidade nunca descubra a cura do câncer, Pode ser que essa doença ainda quebre corações, interrompa vidas e sonhos. Pode ser que eu morra disso ou de qualquer outra coisa, mas eu sei que eu vou morrer e as pessoas que eu amo também.

Já não temo a morte, porque sei o que me aguarda. Só temo não reencontrar todas as pessoas que gostaria naquela "grande festa".

O convite já foi feito, a mesa já está posta. "Já ordenou às suas criadas e está convidando desde as alturas da cidade, dizendo: Quem é simples, volte-se para cá. Aos faltos de senso diz: Vinde, comei do meu pão, e bebei do vinho que tenho misturado. Deixai os insensatos e vivei; andai pelo caminho do entendimento". (Provérbios 9:3-6).

"E ouvi como que a voz de uma grande multidão; e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina. Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou". (Apocalipse 19:7-8)

"Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou".
(Apocalipse 21:4).

O câncer não é maior que as promessas do Deus em quem acredito.



3 comentários:

  1. 'MARAVILHOSO e cheio da VERDADE, o que o torna ainda mais belo! ;) Deus continue sendo sua inspiração...

    ResponderExcluir