domingo, 6 de julho de 2014

A cabana do meu sonho- Sobre escolhas e caminhos



Eu tive um sonho hoje.
Um sonho diferente, que não sei se veio de Deus, mas que mexeu muito comigo e eu gostaria de escrever sobre ele. 

A noite inteira, eu sonhei com minha vida na Aviação. Numa primeira parte eu estava num voo, na outra eu decidia pedir demissão e em outra eu já tinha saído da empresa, mas continuava voando (sim, surreal mesmo). Nessa parte mais surreal, eu contava para as outras pessoas que queria sair e em outras eu já havia saído e sentia arrependimento pela minha decisão. 

Pra quem não sabe, neste primeiro semestre, eu vivi emoções suficientes pra uma vida. Voltei pra Aviação e logo após o fim da minha fase de instrução pedi demissão. Foi a escolha mais surpreendente da minha vida e mais do que largar o emprego "dos sonhos" de muita gente, senti que dava um passo de obediência a Deus e que algo muito mais surpreendente Ele teria pra minha vida. Saí completamente em paz e assim permaneço até hoje. Apesar do sentimento do meu sonho, eu nunca me arrependi dessa escolha. A mesma paz e intrepidez que me ajudou a tomar essa decisão, permanece comigo até hoje e o que eu sinto agora é uma saudade gostosa de tudo que vivi, não vontade de voltar. 

Mas voltando ao sonho: numa das últimas partes, eu encontrei uma antiga chefe minha a quem admiro e respeito muito. 
A gente estava conversando e, de repente, estávamos em uma espécie de vale. Era uma terra estranha, meio desértica e a gente conversava ali. Eu não lembro o porquê, mas estava muito, muito triste e chorava com uma angústia enorme. 
Até que chegou um homem. Era um senhor mais velho, alto e eu não o conhecia, mas sua figura me trazia uma segurança enorme. Apesar de muito firme, suas roupas e sua postura não eram solenes. Eu corri e o abracei e toda a angústia se foi. Me senti segura enquanto ouvia-o falando. Ele não falava em Português e em alguns momentos eu entendia em Inglês, mas lembro muito bem o que ele disse. 

Ele apontava pra um lugar perto e dizia assim: 

"-Tá vendo aquela cabana?! Ela está perto de você e se quiser pode correr pra lá agora mesmo. Mas apesar de estar perto, ela não é segura. Não te protegerá contra a chuva, contra o vento e contra outros perigos". 

Eu não me senti segura pra correr pra lá, então ele apontou pra outro lugar em que eu só via o início do caminho e disse:

"-Por ali você encontrará um lugar seguro, mas não será fácil chegar lá". 

Eu acredito que ele me disse mais alguma coisa, mas não lembro o que foi. Só sei que era um caminho que parecia difícil, mas eu corri imediatamente naquela direção. Não lembro de mais nada do que fiz depois disso. 
O sonho mudou pra imagem de um animal parecido com uma onça-pintada correndo em meio a pedras em um lugar muito alto (eu sei, isso não faz o menor sentido), e então eu acordei. 

Como falei no início do texto, talvez este sonho não tenha vindo de Deus e tenha sido mero fruto do inconsciente, mas eu sei que mexeu comigo e eu acordei pensando muito nele. 

Quantas e quantas vezes procuramos a cabana "mais perto" por medo do caminho mais perigoso?
Quantas e quantas vezes nos contentamos com o que os olhos podem ver pra não ter que confiar no que não podemos prever?

Não existe pessoa mais inquieta do que eu no que se refere a planos. Eu estou SEMPRE buscando saber o próximo passo. Assim que consigo alguma coisa, já penso no que virá a seguir. Tenho dificuldades de olhar para o presente como um presente. Acho que sempre existe uma alegria maior no futuro. 
Isso por um lado foi bom pra mim. Se fiz e faço tanto é por causa dessa inquietude que nunca tem fim. Só acho que agora o Criador quer me ensinar a caminhar pela fé. 

Enquanto escrevo este texto, uma das minhas cenas favoritas de um livro vem à minha mente. 

Sei que este texto já está grande, mas prometo que valerá a pena ouvir essa história.

No livro "O Cavalo e seu menino" de "As Crônicas de Nárnia", C.S.Lewis conta a história de Shasta, um menino que sofre desde o início da vida com uma série de intempéries e passa por uma grande aventura. Não vou entrar em detalhes sobre a história, pois vale muito a pena ler o livro e esta é uma "Crônica" que é possível ler separadamente das outras. Se não quiser comprar o livro (o que vale MUITO a pena), leia aqui

Nesta cena, Shasta está muito triste, numa noite muito escura, andando apenas com seu cavalo em meio às mais densas trevas, até que surge Alguém:

"(Shasta) Teve tanta pena de si mesmo que as lágrimas começaram a deslizar por seu rosto.
Um susto interrompeu os seus tristes pensamentos. Alguém ou alguma coisa caminhava a seu lado. Nas trevas não podia ver nada. E a coisa (ou pessoa) ia tão silenciosamente que ele mal podia ouvir suas pisadas. Ouvia, sim, uma respiração: o invisível companheiro de fato respirava com vontade; devia ser uma criatura enorme. Foi um grande choque.
Relampejou na sua cabeça uma lembrança: ouvira dizer que existiam gigantes nos países do Norte. Mordeu os lábios, apavorado. Mas, agora que tinha um motivo real para chorar, parou de chorar.
A coisa (se é que não era uma pessoa) ia tão silenciosa que talvez fosse mera imaginação. Já estava certo disso, quando ouviu ao seu lado um suspiro grande e profundo. Não era imaginação! O fato é que sentiu o hálito quente desse longo suspiro na mão direita.
Se o cavalo fosse mesmo bom – ou se ele soubesse como fazer o cavalo tornar-se bom – teria arriscado tudo numa corrida desabalada. Como isso não era possível, seguiu a passo, com o companheiro invisível caminhando e respirando a seu lado. Acabou não aguentando mais:
— Quem é você? — murmurou baixinho.
— Alguém que esperava por sua voz — respondeu a coisa.
O tom não era alto, mas amplo e profundo.
— Você é... um gigante?
— Pode me chamar de gigante — disse a grande voz. — Mas não me pareço com as criaturas que você chama de gigantes.
— Não consigo vê-lo — falou Shasta, depois de muito tentar.
Uma coisa terrível lhe passou pela cabeça. Com a voz quase trêmula de choro, perguntou:
— Você não é... não é uma coisa morta... é? Vá embora, por favor. Nunca lhe fiz mal. Ó, sou o sujeito mais desgraçado do mundo!
Sentiu novamente o hálito quente da coisa no rosto e na mão.
— Morto não respira assim. Pode me contar as suas tristezas, rapaz.". 

Não posso contar todo o final desta maravilhosa conversa, porque senão perderia a graça você ler o livro. O que posso dizer é que Shasta se abre com este Alguém e derrama todas as suas tristezas, até que sua tristeza se transforma em revolta e ele faz a pergunta que todo ser humano mais gosta de fazer ao se comparar com outros seres humanos:

"— Mas por quê?!".

E este Alguém responde:

"— Filho! Estou contando a sua história, não a dela. A cada um só conto a história que lhe pertence".

Eu não sei em qual momento da sua vida você está. Não sei se já tem sua vida planejada até o último dia, ou se não sabe o que fará do seu dia amanhã.
Não sei se está feliz com sua carreira, ou se se arrepende das escolhas que fez.
Eu só sei de uma coisa: Deus estará conosco qualquer que seja a nossa escolha, mas deseja que tomemos passos de fé. Foi exatamente isso que ouvi de uma missionária no dia em que fui pedir demissão. Encontrei-a no aeroporto, numa "Jesuscidência", horas antes de fazer minha escolha. 

Saiba que Deus estará com você na cabana "mais perto" e te protegerá dos perigos dela, mas existe um caminho que leva a outro lugar e mesmo que "nas trevas, não consiga ver nada", sempre existirá Alguém caminhando ao seu lado. 
Talvez você olhe para o lado e pareça que todos saibam pra onde estão indo, menos você. Talvez sua história pareça menos interessante que a dos outros e você se arrependa de não ter escolhido aquela cabana mais perto ("pelo menos ela era confortável"). 
Talvez você esteja trilhando um caminho escuro, que você não sabe onde vai dar, por pura obediência ao invisível. 

Mas veja...

Será que é mesmo invisível?! 
Será que não dá pra ouvir este suspiro?!
Alguém que lhe diz: "Não desista ainda", "confie ", "continue lutando". 
Algumas vozes lhe dizem pra confiar em si mesmo, mas você sabe que é tão incapaz! 
Então Alguém mais forte lhe ajuda a prosseguir. 
Você sente medo, mas se sente seguro.
Você não vê o que está a sua frente, mas sabe que chegará a um local seguro. 

Eu nunca ouvi alguém começar uma história incrível assim: "Eu estava sentado em minha zona de conforto, estava tudo maravilhosamente do jeito que devia estar, quando...". Histórias de milagres e as histórias que mais nos emocionam começam com alguém em uma situação difícil. 
Sua história está nas mãos do maior Escritor de histórias. Está nas mãos do seu Criador, que te ama e que jamais quis que você sofresse, mas que sabe que "mar calmo nunca fez bom marinheiro". Pare pra pensar em quantas coisas você aprendeu nos dias mais felizes da sua vida. Agora pense no quanto aprendeu nos dias mais difíceis. Uma diferença e tanto não?

Tudo que Ele faz, inclusive e principalmente o sofrimento, promove para nós eterno peso de glória (2 Coríntios 4:17). 

Não deixe sua vida nas mãos do acaso. 
Não deixe as circunstâncias decidirem por você. 
Não siga sempre seu coração ("O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?" Jeremias 17:9).
Não tome o caminho que lhe parece mais fácil. ( "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, poucos são os que a encontram". Mateus 7:13-14)

Se você escolheu dar um passo de fé e ser obediente a Deus, mas se sente frustrado, lembre-se: "Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus". Filipenses 3:13-14. 

Você talvez não possa escolher tudo que acontece em sua vida, mas com certeza pode escolher como passará por ela. 

Ele estará com você.










Nenhum comentário:

Postar um comentário