quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Carta para o meu Stalker

Querido Stalker,

Precisamos conversar. Sim, você, que vive fuçando meu Facebook, mas não fala nada comigo.

Eu sei que a graça da vida virtual é poder saber da vida dos outros, mesmo não estando em seu círculo íntimo de relacionamentos. Eu sei que você tem todo o direito de visitar meu perfil quando quiser, porque se eu aceitei os termos de relacionamento do Facebook, me sujeitei à essa possibilidade. Não fique com vergonha, eu também visito o seu de vez em quando.
Só estou um pouco confusa em relação ao nosso relacionamento.

Se você não está interessado em mim, por que quer saber tanto da minha vida? Você já se perguntou isso? Já se perguntou o porquê de todas as vezes que você digita a letra "A" na barra de pesquisas, o primeiro nome a aparecer é o meu? Não ficou intrigado quando queria mandar uma mensagem para o seu melhor amigo e acabou entrando no meu perfil? É a força do hábito, Stalker. Acontece comigo às vezes também.

Eu não me incomodaria, se achasse que isso lhe faz bem. Você sabe que não faz.
Sei que você já deve ter prometido a si mesmo mais de cem vezes que não entraria no meu perfil. Eu sei que você já passou a tela pra baixo mais rápido, quando viu minha foto na tela, só pra tentar não ler o que escrevi.
Provavelmente, você disse que não clicaria no link deste texto e prometeu que não o leria, mas veja onde você está... Traindo a si mesmo, suas convicções, seu orgulho!
Desculpe se tenho lhe causado dor. Jamais foi minha intenção mantê-lo como amigo para torturá-lo.
As convenções sociais nos dizem que temos que continuar a conviver aqui. Droga de mundo virtual! Há uma década atrás, nós nem nos veríamos, seríamos meras lembranças, talvez até nos esbarrássemos esporadicamente, mas a boa etiqueta nos faria educados e seguiríamos em frente. Não teríamos que enfrentar a tortura de ver aquela maldita bolinha verde de "online". Se não tivéssemos como nos enfrentar diariamente, já teríamos nos esquecido. Mas a ferida fica aberta e, quando começo a te esquecer, você curte uma foto minha.

Pois então, meu caro amigo, eis aqui a razão de eu lhe escrever. Está torturante para mim também.
Que fique claro que este não é um daqueles textos vingativos, que as pessoas escrevem para os "invejosos" que os perseguem. Não sou tão pretensiosa assim, meu caro stalker, não penso de mim mesma além do que convém e não estou nem aí se existirem pessoas que querem saber da minha vida por inveja ou curiosidade. Garanto que essas pessoas têm uma imagem ao meu respeito que não corresponde à realidade.

Você não, meu querido. Seus sentimentos são verdadeiros. Sei que você tem um sincero interesse em minha vida. Talvez pra saber se estou feliz ou se estou triste. Talvez para checar se meu status de relacionamento continua o mesmo. Talvez pra descobrir quem é aquele cara que postou uma foto comigo semana passada e qual a importância dele na minha vida (sei que você já sabe tudo da vida dele e o stalkeou também).
Seu interesse é sincero. Você quer saber de mim talvez por sentir que dessa forma faz parte da minha vida e continua sabendo ao meu respeito. Meu caro, não seja tão tolo! Por incrível que pareça e por mais coisas que eu poste, minha vida continua acontecendo em off. Você não precisa ser tímido. Se apesar de nossas vontades contraditórias, continuamos conectados, por que não trazer esta conexão para a vida real?! Por que não tomar um bom café e colocar o papo em dia, talvez para esclarecer os motivos de não nos falarmos mais. Se olhar em meus olhos lhe parece um desafio muito grande, você pode me escrever de maneira privada. Provavelmente você tem meu número. Pode me ligar quando precisar. Prometo que não vou ressuscitar questões antigas ou que lhe incomodem, a não ser que você as mencione. Eu devia gostar de conversar com você e devíamos ter assuntos interessantes, porque se hoje você me stalkeia, algum interesse eu devo ter despertado. Eu não mordo, sou adulta e gosto muito de palavras. Não hesite em me direcionar algumas delas.

Caso eu esteja sendo enfadonha e a minha presença hoje mais lhe incomode do que cause prazer, gostaria de lhe dar chance de não mais ter que me enfrentar. Ficar me vigiando, só vai lhe fazer mal. Um dia, eu irei postar aquilo que você tanto teme ler e não terá adiantado nenhuma dessas horas perdidas procurando saber sobre a minha vida anonimamente.

As redes sociais são fantásticas e hoje eu entendo que são necessárias, mas vivo em pé de guerra com elas e um dos motivos é esta artificialização dos relacionamentos. Com a gente não precisa ser difícil assim, querido Stalker.
Vou lhe fazer uma proposta e assumo todos os ônus das obrigações que ela gerar.

Ao acabar de ler este texto, você pode escolher dois caminhos:

O primeiro, é stalkear meu perfil pela última vez, ir até aquela setinha escrita "amigos" e me bloquear. Sem hard feelings ou ressentimentos! Continuarei o cumprimentando na rua e lhe tratando com a educação e respeito que lhe são devidos. Nossa história não começou no Facebook e é em nome desta história fora dele que eu o considero parte da minha vida e não por ter seu avatar em minha lista de amigos.
Bloquear-me será uma atitude saudável, acredite em mim. Parece bobeira, mas continuar ligado na vida virtual quando se quer aproximar na vida real é uma das formas de torturas mais cruéis consigo mesmo.

Caso você concorde com esta última afirmação, talvez a segunda alternativa lhe pareça interessante:

Converse comigo. Volte a ser meu amigo. Conte-me como anda sua vida.
Fico muito triste quando algumas pessoas hesitam em me contar suas vidas, por acreditarem que a minha é mais interessante. Sei que poucas pessoas já viveram o que vivi e que eu, sendo a instabilidade em pessoa, acabo me enfiando sempre em coisas novas, mas isso não significa que eu não ame ter amigos estáveis. Aliás, acho que se eu não os tivesse, já teria enlouquecido. Pessoas "normais" sempre me trazem de volta à realidade e tenho convicção de que nenhuma pessoa é igual a outra. Pessoas diferentes de mim me causam verdadeiro fascínio e inspiração. Fora tudo isso, ficaria extremamente magoada se você acreditasse que eu seria capaz de menosprezar alguém. Você sabe, Stalker, que isso não é parte do meu caráter, ainda mais se tratando de alguém como você. Eu continuo com aquela dificuldade em responder todas as mensagens que recebo, às vezes por distração, às vezes por procrastinação, mas tenha fé de que um dia eu respondo.

Venha ser meu amigo de novo, caso deseje. Venha ser parte da minha vida e eu lhe contarei pessoalmente tudo que você quer saber. Só espero que você não continue nessa vida triste, de ser um mero stalker. Penso que você merece mais que isso. Comece me enviando um "oi" ou suas impressões sobre este texto e minha prolixidade fará todo o resto.

Não vou lhe julgar. Escrevi este texto pensando em você.
Independentemente do caminho que você escolha, tenho certeza que lhe fará muito bem tomar uma atitude.
Seja corajoso! Eu já fiz o mais difícil, que foi escrever-lhe esta carta.
Talvez não nos tornemos amigos próximos de novo, mas tenho certeza que esta inquietude pra fuçar o meu perfil vai melhorar.

Espero que tenha lhe ajudado e, caso seja necessário, não hesite em me contactar.

Aguardo sua decisão.

                                                 Com carinho, de sua stalkeada,


                                                                                              .


2 comentários: