quarta-feira, 22 de junho de 2016

Aprendendo a viver

Dia desses, tive uma crise terrível, da qual achei que não sairia mais. Estava péssima, sem esperança na vida, sem alegria, sem perspectiva de encontrar felicidade nesse mundo. Uma das coisas que mais me entristecia era não ter feito tudo que gostaria pela minha avó, quando ela ainda estava saudável. Minha mãe, em sua infinita sabedoria, me disse o seguinte: "Minha filha, às vezes a gente quer fazer pelos outros o que a gente gostaria que fizessem por nós, mas nem sempre é isso que as pessoas querem. Você tem que saber que ela teve a vida que quis e foi feliz à forma dela, mesmo que não fosse a vida que você quisesse". É duro de se ouvir, mas esta é a mais pura verdade, que minha avó confirmou ontem, da maneira simples dela. 

Ontem, ao chegar em casa, deitei ao lado dela e fiquei pensando no que poderia fazer para torna-la mais feliz. Perguntei: "-Biá, se você pudesse fazer qualquer coisa agora, qualquer coisa mesmo, o que você faria?". Ela respondeu: "- Agora? Qualquer coisa? Eu ia lavar roupa, arrumar minha casa...". Me deu vontade de chorar. Só depois de eu insistir muito em um sonho mais ousado é que ela respondeu: "Amanhã tem concerto". 

Faço parte da geração que quer ganhar o mundo, mas como disse Jung, esquecemos que o mundo não vai se permitir ser ganho por nós. Queremos viagens, os melhores lugares, os amigos mais importantes, os melhores salários, uma vida cheia de emoção e novidade. Eu consegui muita coisa que a minha geração deseja antes de completar vinte anos. Ganhei bem, viajei muito, conheci lugares que minha avó nem sabe que existem. Tudo isso foi maravilhoso, mas sabem de uma coisa? Se eu pudesse escolher qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, eu escolheria poder levar minha avó a um último concerto. Nenhum lugar do mundo me deixaria mais feliz que isso. 

Saiba: a vida é breve e as pessoas finitas. Será que no fim dela poderemos dizer que se pudéssemos escolher qualquer coisa, viveríamos exatamente da forma como temos vivido?

Você já leu isso em diversos lugares, mas eu faço questão de repetir: Não espere amanhã pra dizer "eu te amo". Não espere "mais tarde" chegar para mudar sua vida e tomar decisões a respeito dela. Não deixe coisas pequenas tomarem conta do seu coração a ponto de se tornarem grandes e te sufocarem. Viva menos estressado, tenha mais gratidão. Perdoe, ame, sorria, abrace, beije, lave as roupas, trabalhe, vá a concertos, veja uma vista bonita de um lugar alto, tome mais cafés com pessoas amadas, aproveite as coisas simples da vida. Nós, as pessoas que amamos e este mundo vamos passar. Só o Eterno é eterno. Faça valer a vida que Ele lhe deu e o tempo que ainda lhe resta. O mundo é triste, a vida é dura, tem muita coisa que nos deprime, oprime, destrói nossa esperança, mas agarre-se na certeza de que em breve tudo isso passará. 

E como minha mãe disse para me ajudar a sair da crise há poucos dias, se olharmos a vida pela janela da tristeza, vamos perder muita coisa bonita. 

Não digo que seja fácil, mas afirmo que é possível encontrar cor mesmo nos dias mais cinzas. 

Deixo novamente aqui a letra de uma das canções que mais amo. 

O Tapeceiro sabe o que faz.

No amor de Cristo,

Amanda. 

"O TAPECEIRO- Stênio Marcius

Tapeceiro, grande artista,
Vai fazendo seu trabalho
Incansável, paciente no seu tear

Tapeceiro, não se engana
Sabe o fim desde o começo,
Traça voltas, mil desvios sem perder o fio

Minha vida é obra de tapeçaria,
Tecida de cores alegres e vivas,
Que fazem contraste no meio das cores
Nubladas e tristes
Se você olha do avesso,
Nem imagina o desfecho
No fim das contas, tudo se explica,
Tudo se encaixa, tudo coopera pro meu bem

Quando se vê pelo lado certo,
Muda-se logo a expressão do rosto,
Obra de arte para Honra e Glória do Tapeceiro

Minha vida é obra de tapeçaria,
É tecida de cores alegres e vivas,
Que fazem contraste no meio das cores
Nubladas e tristes
Se você olha do avesso,
Nem imagina o desfecho
No fim das contas, tudo se explica,
Tudo se encaixa, tudo coopera pro meu bem

Quando se vê pelo lado certo,
Todas as cores da minha vida
Dignificam a Jesus Cristo, o Tapeceiro".


Um comentário: